domingo, 25 de novembro de 2007

CORAÇÃO - Quem te conhecerá?

" O coração é mais enganoso do que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?" ... " Pois a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes, ela panetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração." ( Jr 17.9 ; Hb 4.12)

Tarde de mais ! meu coração se corrompeu...
não sei quando, nem como tudo isso aconteceu
Só sei que quando busco algo de bom
vejo que desapareceu
não há meias palavras.. ele é corrupto!
Se vende a qualquer um que lhe oferecer
um pouco mais de prazer
é infiel e inconstante, foge das rédeaspra ele nada é o bastante
E agora vejo-me aflita, meu coração se expreme
se retorce dentro de mim!
Deve ser porque o descobri...
descobri que não posso encobrir
o quão coberto ele é a mim,
e também á todos quando tenta fingir...
em nada mais posso crer se vem dele
desconfio de tudo! agora mesmo, quem sabe
não está a pregar-me uma peça?
tem mil máscaras, não sei como é sua face
manipula dentro de mim sentimentos, intentos
não devia ser assim,
Quando certa de que estou por cima,
não passo mais alto que que um ser ratejante
Quando como tal passo a me ver,
dou salto amiores e até estrelas posso ver...
Ah! coração quem te conhecerá?!
Quem o descortinará e revelará o show de amores
e horrores que estais a esconder?!
Não esperarei mais,
Nem tão pouco tentarei entender,
Preciso de algo eficaz, penetrante...
uma espada quem sabe? não uma qualquer
preciso de uma que seja maior que você
que o corte e desnude sua miséria e virtude,
Um corte feito que rasge duas vezes,
que rasge a alma e o espírito,
que divida-os, que debande-os , e assim
conheca-os e prescute seus intentos,
que incline-o para o lugar certo,
Como uma árvore tombada, que para onde cai fica
que assim sejas coração...
que essa espada parta-o e tombe-o para o lugar correto
e ali fique inclinado, e absorva da boa terra semeada
algo que produza mudança e transformação,
e assim, como que enxertado em uma videira,
dê seu fruto na estação própria,
que não murche sua folha, e quando maduro,
caia na terra para ser não apenas sozinho,
mas para dar-se por alguém,
e assim conhecer o antídoto para os males do coração:
O AMOR